Revitalizar bairros e cidades com mercados municipais

[Publicamos um texto de José Carlos Marques, sobre os Mercados:]

Mais uma achega para este nosso tema recorrente…

Num artigo intitulado “Comércio de rua; como é que se vai devolver gente às lojas da Baixa de uma cidade?”, (jornal Público de 5 de dezembro último, suplemento “Cidades”), com coisas interessantes e outras menos, destaco este fragmento:

“Mercados também ajudam
Bons mercados municipais podem ser uma estratégia para dar coesão e revitalizar os bairros e as cidades. Quem o diz é o consultor para a área dos mercados municipais Jordi Tolrà, responsável pela comunicação dos Mercats de Barcelona até ao ano passado. «Está comprovado que a remodelação de um mercado de alimentação melhoira o ambiente urbano em que se encontra, atrai novos tipos de comércio e novos moradores.»

A seguir cita-se João Rosado, presidente da Acral (Associação de Comércio e Serviços da Região do Algarve), que invoca os bons resultados da reabilitação dos mercados municipais de Loulé, de Faro e de Portimão nos últimos três anos. No de Faro instalou-se até um supermercado e uma loja do cidadão… Não fala do de Olhão, talvez arquitectonicamente o mais bonito dos quatro (era, pelo menos).

Conheci estes mercados algarvios na década 1980-90 quando eram vivíssimos, belos e animados. Receio, mas é talvez receio injustificado, que a “reabilitação” não tenha respeitado inteiramente a sua “alma”. Oxalá me engane, mas no de Faro dispensava-se bem um supermercado. Aliás a 300 metros há ou havia um ou mais do que um. O interesse do mercado era a abundância de hortícolas, legumes frescos e peixe. Não que, para não destruir a tal “alma”, seja necessário deixar tudo na mesma. O Bolhão não tem necessariamente que ser o folclore das peixeiras e das beijocas eleitorais aos caudilhos… É tudo uma questão de grau, peso e medida, de uma combinatória equilibrada entre o antigo e o novo em que é o novo que deve prestar vassalagem ao antigo sem perder com isso caráter.

O que é importante é que o centro de gravidade continue a ser o mercado de alimentação, de frescos e sempre que possível com abastecimento de produtores de proximidade, com outras coisas que girem em torno da alimentação, como restaurantes, tasquinhas simples ou requintadas, livros de cozinha e alimentos como vi em Madrid perto da Plaza Mayor, etc. E não centros comerciais convencionais (como tenderia a ser o do Bolhão no projeto em boa hora enterrado), ou hotéis low cost (Bom Sucesso), ou incubadora de ateliês de design (Matosinhos).

Na nossa perspectiva rur-urb, o mais importante de tudo é fazerem parte de um complexo de apoio e revitalização à produção agrícola local ou próxima, na medida do possível de orientação ecológica (sustentável, tradicional, biológica ou outros qualificativos que lhe assentem).

JCM

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s